Pedra na vesícula: causas e tratamentos

É necessário tratamento especializado e mudanças nos hábitos de vida

Hospital Samaritano de São Paulo


11 de maio de 2017


5 minutos

Pedra na vesícula, cálculo biliar ou colelitíase é o nome dado às pedras – ou cálculos – que surgem na vesícula biliar, um pequeno órgão localizado junto ao fígado. A principal função da vesícula biliar é armazenar e liberar a bile no sistema digestivo. Essa substância é um líquido que auxilia na digestão da gordura ingerida.

Hábitos alimentares inadequados, pouca ingesta de fibras e o abuso de gorduras, sedentarismo, colesterol fora de controle, tabagismo, uso de pílulas anticoncepcionais para mulheres e problemas relacionados à obesidade, como diabetes e hipertensão, além da própria genética, favorecem a mudança na composição e consistência da bile. Com isso ocorre a precipitação de cristais de colesterol, o principal componente das pedras.

“A pedra pode permanecer confinada dentro da vesícula ou dependendo de seu tamanho,  pode seguir o ducto da bile, cair no intestino ou ficar presa dentro do pâncreas causando uma inflamação desse órgão”, conta o Dr. Andreas Koszka, gastroenterologista do Hospital Samaritano de São Paulo. Muitas vezes as pedras não são percebidas e o paciente permanece assintomático.

Quando a pedra tem tamanho maior, em geral mais de 1cm, ela pode obstruir a saída de bile da vesícula. Isso provoca o sintoma mais característico de quem sofre com o cálculo, a cólica biliar, que é caracterizada por uma intensa dor na parte superior direita do abdômen que atinge o pico entre 30 minutos e uma hora após as refeições, quando o órgão é estimulado a liberar a bile na digestão.

Quem sente os efeitos de cálculo biliar pode apresentar também, além da cólica, dor de estômago e dificuldade de digestão. Em situações mais graves a vesícula pode inflamar. “O paciente sente náuseas, vômitos e febre também pode aparecer. Com o desconforto e o mal-estar causados, o ideal é buscar uma avaliação médica, realizar os exames necessários e o tratamento adequado”, explica o Dr. Andreas.

Geralmente, o tratamento é cirúrgico. Não existem remédios eficazes para dissolver as pedras. Em casos mais graves, quando acontece a inflamação, a cirurgia pode ser realizada na urgência. A técnica para operar a vesícula é a laparoscópica, uma técnica minimamente invasiva, pela qual o cirurgião remove a vesícula com auxílio de pinças e uma câmera de televisão.

Depois de resolver o problema, a recomendação é a mesma para quem deseja preveni-lo. “Alimentar-se balanceadamente, com muitas fibras e pouca gordura, praticar atividades físicas regularmente, abandonar o tabagismo e, para mulheres, avaliar o uso das pílulas anticoncepcionais juntamente ao médico”, finaliza o especialista.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Especialidades Pediátricas

Ver Todos