Retinoblastoma: Quimioterapia intra-arterial chega a até 90% de cura

Nova técnica para retinoblastoma favorece o tratamento com menos efeito colateral para o restante do corpo, não acometido pela doença.

Hospital Samaritano


20 de maio de 2016


4 minutos
Retinoblastoma

Uma nova técnica para retinoblastoma – tumor maligno localizado na retina – favorece o tratamento com menos efeito colateral para o restante do corpo, não acometido pela doença.

O retinoblastoma é o tipo mais comum de câncer de olho infantil. Cerca de 400 crianças são diagnosticadas por ano no Brasil e 90% delas são pacientes abaixo dos cinco anos de idade. 40% dos casos são hereditários – quando um dos pais já teve retinoblastoma. Desses, dois terços desenvolvem a doença bilateral, ou seja, acometendo os dois olhos.

O sinal característico do retinoblastoma é a leucocoria, ou seja, um reflexo branco quando um feixe de luz artificial (máquina fotográfica, por exemplo) aparece através da pupila. Nos olhos saudáveis, esse reflexo é sempre vermelho.

Além desse, outros sintomas do retinoblastoma são a baixa visão, estrabismo e deformação do globo ocular. O levantamento do histórico familiar, o exame de fundo do olho e a ressonância nuclear magnética de órbita fornecem elementos importantes para confirmar o diagnóstico precoce, que é pré-requisito básico para o sucesso do tratamento.

A quimioterapia intra-arterial realizada pelo Hospital Samaritano de São Paulo é opção menos agressiva às demais partes do corpo e garante mais qualidade de vida às crianças. Trata-se de uma injeção do quimioterápico pela artéria oftálmica diretamente no tumor. “É inserido um micro-cateter pela região da virilha até chegar à artéria oftálmica. Em 80% dos casos, a visão é mantida e em outros, melhora. Esta técnica é um importante avanço e as chances de cura, quando tratada em um centro de referência e com técnicas adequadas, é de até 90%”, explica a Dra. Carla Macedo, oncologista pediátrica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Poucas instituições oferecem este tratamento no Brasil e o Hospital Samaritano de São Paulo é uma delas. A oncologista pediátrica e o neurointervencionista do Hospital, Dr. José Roberto Fonseca, respondem pela técnica. “É a tecnologia vindo ao encontro do melhor tratamento aos pacientes. No dia seguinte ao procedimento a criança já está pronta para seguir com a vida normalmente, podendo ir à escola, brincar e se relacionar com a família e amigos”, completa Dr. Fonseca.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Atenção ao Tabagismo

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo

Diretor Técnico: Dr. Maurício Rodrigues Jordão - CRM 98.881