Dislexia, um verdadeiro fantasma nas escolas e famílias

Cerca de 10% das crianças em idade escolar possuem alguma dificuldade em aprender

Hospital Samaritano de São Paulo


1 de novembro de 2016


8 minutos

Crianças diferentes aprendem de maneiras diferentes. As variações do potencial de cada criança se devem a vários fatores, como a oportunidade e exposição ao ensino de qualidade, adaptação a fatores culturais, com metodologia eficiente, professores motivados e atualizados e fatores de ordem biológica.

Cerca de 10% das crianças em idade escolar possuem alguma dificuldade em aprender. O transtorno específico de leitura ocorre em aproximadamente 6% da população. A taxa de abandono escolar para crianças e adolescentes com Transtorno da Aprendizagem gira em torno de 40%, dificultando sua adaptação social, empregabilidade e qualidade de vida da família e do entorno social.

“Os transtornos específicos de aprendizagem geralmente são caracterizados pela dificuldade na aprendizagem da leitura, escrita e/ou matemática e por dificuldades na linguagem oral, em crianças com nível de inteligência adequado para sua faixa etária, comprometendo a compreensão de textos e a assimilação do conteúdo escolar”, explica Dra. Saada R. S. Ellovitch, pediatra do Hospital Samaritano de São Paulo.

Existem vários tipos de transtornos de aprendizagem. Um deles é o transtorno específico da leitura, mais comumente chamado de dislexia.

A dislexia é altamente genética, ou seja, é de família. Quando olhamos mais de perto verificamos que alguns familiares tiveram diferentes graus de dificuldade na escola.

O termo dislexia vem do grego dis (difícil, prejudicado) e lexis ( palavra), significando transtorno específico de leitura.

Esses transtornos manifestam-se muito cedo na vida e não decorrem da falta de oportunidade de aprender, de deficiência intelectual (a inteligência é normal), sensorial ou de doenças adquiridas, por isso é muito importante que a identificação e o diagnóstico sejam feitos o mais rápido possível, pois um diagnóstico tardio pode afetar negativamente a vida desses indivíduos. Quanto mais cedo introduzirmos o processo de reabilitação e adequação de melhores estratégias em sala de aula, melhor o resultado final.

O que chama a atenção de pais e professores é a dificuldade em aprender a ler, escrever e compreender o que foi lido, principalmente no início da alfabetização.

Como apresentam inteligência normal, se esforçam para ler e vão tentando adivinhar parte das palavras, para compensar sua dificuldade real. No final da leitura, não conseguem compreender o significado real. O desempenho é melhor em palavras conhecidas, que a criança já esteja mais familiarizada.  Apresentam dificuldades também com rimas.

Segundo a Associação Nacional de Dislexia, a dislexia não é uma doença e sim uma disfunção, um funcionamento peculiar do cérebro para o processamento da linguagem. As atuais pesquisas, obtidas através de exames por imagens do cérebro, sugerem que os disléxicos processam as informações de um modo diferente. Pessoas disléxicas são únicas; cada uma com suas características, habilidades e inabilidades próprias. Os casos variam de leves, indicados como “leitores fracos”, moderados a disléxicos severos.

A dificuldade na leitura é caracterizada pela dificuldade na percepção e manipulação dos sons da fala, caracterizando a sua leitura com erros de reconhecimento das palavras, troca de letras, leitura silábica e sem entonação, dificuldade de compreensão de textos, escrita com erros de ortografia, inversão de letras e/ou sílabas.

Os profissionais da área da saúde têm o papel de realizar o diagnóstico da Dislexia e outros transtornos específicos de aprendizagem, sempre de forma interdisciplinar para que o resultado seja o mais assertivo possível. Os profissionais envolvidos são o neuropediatra, fonoaudiólogo, neuropsicólogo e psicopedagogos. O contato entre os profissionais é fundamental e indispensável, pois pode minimizar o erro diagnóstico e acelerar o tratamento adequado. Estes resultados devem ser compartilhados com a área da educação, a fim de promover melhor adequação da criança/adolescente, minimizando os danos futuros.

No funcionamento do cérebro, “o raio pode cair mais de uma vez no mesmo lugar”. O processamento da leitura e da escrita no cérebro acontece em regiões relacionadas também a outras funções, como a atenção, a memória  de curto prazo e as denominadas funções executivas (capacidade de se organizar e se mobilizar de forma organizada e persistente em direção a uma meta). Assim, o indivíduo com dislexia também pode apresentar outras disfunções do neurodesenvolvimento, outras dificuldades simultaneamente. O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade/Impulsividade , de qualquer subtipo, ou seja, crianças muito agitadas e hiperativas, ou aquelas quietinhas por fora,  hipoativas, mas com a cabeça parasitada por pensamentos, “no mundo da lua”, podem ser encontrados em 30%  das crianças com dislexia.

Para acabar com mitos e preconceito, há necessidade dos profissionais da saúde e educação manterem processo de educação continuada. É fundamental a capacitação dos profissionais para atuar com estratégias reconhecidamente eficazes na literatura internacional.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Atenção ao Tabagismo

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo