Congelamento de óvulos é alternativa para mulheres que querem adiar a gravidez

Procedimento pode ser realizado por mulheres que precisam ou têm a intenção de postergar a maternidade

Hospital Samaritano de São Paulo


27 de outubro de 2016


7 minutos
shutterstock_172947323-1

O surgimento da pílula e de outros métodos contraceptivos promoveu a independência das mulheres em diversas esferas. A possibilidade de evitar uma gravidez fez com que elas investissem mais no desenvolvimento pessoal e profissional, muitas vezes deixando a maternidade em segundo plano. Segundo os dados da última pesquisa Saúde Brasil, divulgada pelo Ministério da Saúde, 30% das brasileiras têm o primeiro filho após os 30 anos.

Entretanto, a inversão de prioridades também trouxe o medo de envelhecer e de, na hora desejada, não conseguir engravidar. Este é um dos principais motivos para explicar o aumento da procura por congelamento de óvulos. “Cada mulher nasce com um número finito de óvulos, que serão utilizados ao longo da vida reprodutiva. A partir dos 35 anos, em média, ocorre uma redução gradual das chances de gravidez entre as mulheres. Este fenômeno deve-se à redução da quantidade, e, principalmente, da qualidade dos óvulos”, explica Dr. Paulo Bianchi, coordenador do Centro de Reprodução Humana do Hospital Samaritano de São Paulo.

Desta forma, o congelamento de óvulos tornou-se uma opção para aumentar as chances de realizar o sonho de ser mãe quando é necessário postergar a maternidade. Por ser um procedimento relativamente simples e feito em mulheres jovens, normalmente saudáveis, há poucas contra-indicações. “É importante salientar que o procedimento não é uma garantia de gestação no futuro, mas sim, uma forma de tentarmos manter a chance de gravidez que a pessoa teria no momento do congelamento, mesmo que ela pretenda ou precise, em virtude de alguma doença, engravidar com uma idade mais avançada”, detalha o especialista. “Quando congelamos óvulos de uma mulher de 34 anos e ela retorna para usá-los aos 38 anos, a chance de gestação será praticamente a mesma que ela teria aos 34 anos, salvo se ocorrer algum problema com o útero neste meio tempo”, exemplifica Dr. Bianchi.

Como funciona

Após a decisão, o procedimento começa, em geral, no início do ciclo menstrual. “Na primeira parte do tratamento, a mulher usa alguns medicamentos que estimulam o desenvolvimento e amadurecimento dos óvulos”, detalha o especialista. “O procedimento, em geral, é tranquilo, com poucos (ou nenhum) efeito colateral para as pacientes, normalmente bem tolerados por serem de curta duração (alguns dias)”, complementa.

A próxima etapa é o procedimento para a retirada dos óvulos. A captura é feita sob anestesia, por meio de uma punção transvaginal guiada por ultrassom, com retirada do material, um a um. Cada um deles é avaliado para saber qual é o seu grau de maturidade e se o seu congelamento é viável. “O ideal é que o congelamento seja feito até os 35 anos. O procedimento pode ser feito após esta idade, mas a qualidade dos óvulos e, consequentemente, a chance de gestação no momento do descongelamento, diminuem”, alerta Dr. Bianchi.

Atualmente, o método mais utilizado é o de vitrificação. A temperatura é reduzida de forma rápida. Isso faz com que a sobrevivência do material seja maior após o descongelamento e que a qualidade dos óvulos se mantenha.

Uma vez congelados, os óvulos podem durar por um período indeterminado e a mulher pode utilizá-los quando desejar. Após o descongelamento, os óvulos viáveis são fertilizados por espermatozóides e, após alguns dias de desenvolvimento, os embriões obtidos são colocados no útero (previamente preparado).

A gravidez obtida a partir de um óvulo congelado/descongelado não possui nenhuma diferença em relação à gravidez natural. Os riscos da gestação dependem da saúde da mãe e de seus hábitos no momento da gravidez, assim como ocorre em gestações naturais. “Se a mulher decidir não utilizar os óvulos congelados, ela pode descartá-los ou doá-los. Neste último caso, o processo é feito de forma anônima, isto é, não se pode escolher para quem fazer a doação”, esclarece Dr. Bianchi.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Atenção ao Tabagismo

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo

Dr. Maurício Rodrigues Jordão - Diretor Técnico - CRM 98.881