Pesquisa do Samaritano revela alta incidência de casos de câncer colorretal acima de 40 anos

Março é o mês de conscientização contra o câncer colorretal. Saiba mais sobre seus fatores de risco e prevenção

Hospital Samaritano de São Paulo


21 de março de 2017


5 minutos
Human Colon Anatomy

Human Colon Anatomy Illustration. 3D render

O câncer colorretal é o quarto mais diagnosticado ao redor do mundo, de acordo com o relatório Globocan de 2012. No Brasil, o INCA (Instituto do Câncer) previu que, em 2016, que a doença tivesse cerca de 34 mil novos casos, principalmente nas regiões Sul e Sudeste. A neoplasia é a segunda mais diagnosticada em mulheres e a terceira que mais atinge os homens.

Segundo pesquisa realizada pelo Centro de Coloproctologia do Hospital Samaritano de São Paulo, 45% das colonoscopias realizadas em 154 pacientes, todos acima dos 40 anos, que não apresentavam sintomas da doença e realizavam acompanhamento preventivo, deram um resultado positivo, sendo: 31% dos exames apontaram a presença de adenomas simples, ou seja, tumores benignos, de baixo grau. Outros 11% denunciaram a presença de tumores mais complexos, com maior risco de evolução para o câncer. 2% foram diagnosticados já com o carcinoma em fase inicial e 1% teve como resultado já a presença do câncer em fase avançada.

Março é considerado o mês de conscientização contra o câncer colorretal. Parte de um movimento global, a ação tem como objetivo alertar a sociedade sobre a alta prevalência da doença e a importância de evitar os fatores de risco e realizar o acompanhamento preventivo.

Não há como não relacionar os hábitos modernos com o aumento da incidência desse câncer. O sedentarismo e a má alimentação são os principais fatores de risco, juntamente ao tabagismo e o consumo excessivo de álcool. “5% dos casos estão relacionados à síndrome genética, e esses casos são mais abordados por estarem relacionados à pólipos, cânceres”, afirma o Dr. Alexandre Fonoff, gastroenterologista do Hospital Samaritano de São Paulo.

Quando se fala nas formas de prevenção desse câncer cada vez mais comum, existem duas vertentes. A prevenção primária é a prática rotineira de atividades físicas em conjunto com uma alimentação balanceada e saudável. “A base das refeições deve ser de vegetais, cereais, fibras e proteínas magras”, aconselha o especialista. “O consumo de carne vermelha é permitido, mas de forma moderada”.

Já a prevenção secundária foca no que o Dr. Fonoff chama de “vacina”, e é adotada por pessoas que estão expostas aos fatores de risco, ou seja, quem tem histórico familiar e mais de 50 anos de idade, por exemplo. Ela consiste no acompanhamento médico e na realização da videocolonoscopia, que visa encontrar com antecedência um pólipo adenomatoso, tipo de pólipo que pode virar câncer, e até mesmo um carcinoma em estágio inicial.

Caso um adenoma seja encontrado, ele é retirado antes que possa se tornar maligno, ou seja, um câncer de fato. Se encontrado já um câncer, em fase inicial ou não, o tratamento geralmente inclui cirurgia para sua retirada e a utilização da radioterapia para evitar que as células mutadas voltem a crescer na região.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Atenção ao Tabagismo

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo

Diretor Técnico: Dr. Maurício Rodrigues Jordão - CRM 98.881