Pedra na vesícula: causas e tratamentos

Hospital Samaritano de São Paulo


11 de maio de 2017


5 minutos

Pedra na vesícula, cálculo biliar ou colelitíase é o nome dado às pedras – ou cálculos – que surgem na vesícula biliar, um pequeno órgão localizado junto ao fígado. A principal função da vesícula biliar é armazenar e liberar a bile no sistema digestivo. Essa substância é um líquido que auxilia na digestão da gordura ingerida.

Hábitos alimentares inadequados, pouca ingesta de fibras e o abuso de gorduras, sedentarismo, colesterol fora de controle, tabagismo, uso de pílulas anticoncepcionais para mulheres e problemas relacionados à obesidade, como diabetes e hipertensão, além da própria genética, favorecem a mudança na composição e consistência da bile. Com isso ocorre a precipitação de cristais de colesterol, o principal componente das pedras.

“A pedra pode permanecer confinada dentro da vesícula ou dependendo de seu tamanho,  pode seguir o ducto da bile, cair no intestino ou ficar presa dentro do pâncreas causando uma inflamação desse órgão”, conta o Dr. Andreas Koszka, gastroenterologista do Hospital Samaritano de São Paulo. Muitas vezes as pedras não são percebidas e o paciente permanece assintomático.

Quando a pedra tem tamanho maior, em geral mais de 1cm, ela pode obstruir a saída de bile da vesícula. Isso provoca o sintoma mais característico de quem sofre com o cálculo, a cólica biliar, que é caracterizada por uma intensa dor na parte superior direita do abdômen que atinge o pico entre 30 minutos e uma hora após as refeições, quando o órgão é estimulado a liberar a bile na digestão.

Quem sente os efeitos de cálculo biliar pode apresentar também, além da cólica, dor de estômago e dificuldade de digestão. Em situações mais graves a vesícula pode inflamar. “O paciente sente náuseas, vômitos e febre também pode aparecer. Com o desconforto e o mal-estar causados, o ideal é buscar uma avaliação médica, realizar os exames necessários e o tratamento adequado”, explica o Dr. Andreas.

Geralmente, o tratamento é cirúrgico. Não existem remédios eficazes para dissolver as pedras. Em casos mais graves, quando acontece a inflamação, a cirurgia pode ser realizada na urgência. A técnica para operar a vesícula é a laparoscópica, uma técnica minimamente invasiva, pela qual o cirurgião remove a vesícula com auxílio de pinças e uma câmera de televisão.

Depois de resolver o problema, a recomendação é a mesma para quem deseja preveni-lo. “Alimentar-se balanceadamente, com muitas fibras e pouca gordura, praticar atividades físicas regularmente, abandonar o tabagismo e, para mulheres, avaliar o uso das pílulas anticoncepcionais juntamente ao médico”, finaliza o especialista.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Atenção ao Tabagismo

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo

Código de conduta UHG | Código de conduta para parceiros de negócio | Relatório de Sustentabilidade 2018 | Diretor Técnico: Dr. Maurício Rodrigues Jordão - CRM 98.881
>