As diferenças entre hipotireoidismo e hipertireoidismo

Disfunções da tireoide atingem principalmente as mulheres

Hospital Samaritano de São Paulo


2 de fevereiro de 2017


5 minutos

A tireoide é uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, responsável pela produção dos hormônios T3 (triodotironina) e T4 (tiroxina), essenciais para o bom funcionamento do organismo.

As principais disfunções da tireoide são o hipotireoidismo (baixa produção de hormônios) e o hipertireoidismo (excessiva produção de hormônios). Estas doenças atingem predominantemente as mulheres – a cada homem, 5 a 10 mulheres sofrem com a doença, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

A Dra. Carolina Ferraz, endocrinologista do Centro de Nódulos em Tireoide do Hospital Samaritano de São Paulo, explica melhor as diferenças entre o hipo e o hipertireoidismo. Saiba mais!

Hipotireoidismo

Sua causa mais comum é uma doença autoimune, na qual os anticorpos “atacam” a própria tireoide, diminuindo a produção de hormônios. Esta doença é conhecida como Tireoide de Hashimoto.

“Raramente o hipotireoidismo é causado por falta de iodo na alimentação, pois o sal no nosso país já tem a concentração adequada da substância. Hoje em dia, não há mais regiões com deficiência de iodo no Brasil”, comenta Dra. Carolina.

Sendo a disfunção mais comum que afeta a tireoide, alguns dos sintomas do hipotireoidismo são: cansaço, sonolência, inchaço, depressão, queda de cabelo, unhas fracas, intestino preso e desânimo.

O diagnóstico do hipotireoidismo é feito por meio de sinais clínicos e de exames de sangue, que analisam as dosagens dos hormônios TSH e T4 Livre.

“Se necessário, o tratamento será indicado pelo médico e realizado por meio da reposição hormonal com levotiroxinasódica, análoga ao hormônio T4. Essa medicação deverá ser tomada diariamente ao longo da vida”, explica a especialista.

Em relação a alimentação, a médica orienta que “existem estudos que demonstram que o uso do selênio pode ajudar a diminuir as chances de hipotireoidismo por autoimunidade”. O selênio é encontrado, por exemplo, nas castanhas do Pará.

Hipertireoidismo

Assim como o hipotireoidismo, também é causado por uma doença autoimune. No hipertireoidismo, há a produção de um anticorpo que ativa a tireoide a produzir hormônio. Esta doença se chama Doença de Graves. “Nódulos (geralmente grandes) também podem produzir os hormônios T3 e T4, ocasionando a disfunção”, acrescenta Dra. Carolina.

Os principais sintomas são: taquicardia, tremores, perda de peso, cansaço, insônia e irritação.

O diagnóstico do hipertireoidismo também é feito por meio de sinais clínicos e de exames de sangue, que detectam alterações dos hormônios TSH, T4L e T3. A dosagem de anticorpos também pode ser solicitada para identificar as causas da doença.

“O tratamento, se necessário, poderá ser feito das seguintes maneiras: uso de medicação oral, aplicação de iodo radioativo ou cirurgia. O tratamento mais adequado será decidido em conjunto com o seu médico”, finaliza a endocrinologista.

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Especialidades Pediátricas

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo