Medula Óssea: a importância de ser um doador voluntário

Você sabia que as chances de compatibilidade para o transplante de medula óssea são, em média, de uma para cada cem mil pessoas?

Hospital Samaritano


16 de junho de 2016


5 minutos
Imagem1

Você sabia que as chances de compatibilidade para o transplante de medula óssea são, em média, de uma para cada cem mil pessoas?

Estar cadastrado como um possível doador pode ser a única chance de cura para quem precisa de um transplante. Por isso, preparamos um tutorial com tudo o que você precisa saber sobre a doação e o transplante.

Confira:

1. O que é medula óssea?

A medula óssea é um tecido gelatinoso localizado no interior dos ossos onde são produzidos os seguintes componentes do sangue: hemácias (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas.

2. Quais as principais doenças que afetam as células do sangue, sendo necessário o transplante?

  • Leucemia mieloide aguda ou crônica
  • Leucemia linfoide aguda
  • Mielomonocítica crônica
  • Linfomas
  • Anemias: aplástica grave e congênitas
  • Mieloma múltiplo

3. Quais os principais tipos de transplante de medula óssea?

  • Autogênico: medula do próprio paciente com células ainda não comprometidas
  • Alogênico: medula de um doador

4. Como funciona o transplante?

A medula óssea doente é substituída por células normais, reconstituindo uma medula saudável.

Veja como funciona:

  • Para o doador são solicitados rigorosos exames que confirmem o estado de saúde. A doação é realizada no centro cirúrgico e tem duração de aproximadamente duas horas. A retirada de medula óssea é de até 15%, o que não compromete a saúde do doador que se recupera em poucas semanas. Não há riscos alarmantes, mas como todo procedimento com anestesia, são necessários alguns cuidados médicos.
  • Para o receptor, que passa por um tratamento inicial que consiste em destruir as células doentes, o transplante funciona como uma transfusão de sangue, na qual uma medula sadia é inserida na corrente sanguínea do paciente para se desenvolver. Após esse procedimento, o paciente deve ser internado no hospital, em regime de isolamento, com alguns cuidados especiais até a recuperação da medula.

5. O que é compatibilidade?

Para a realização do transplante é necessário a compatibilidade total entre doador e receptor, comprovada a partir de amostras de sangue das duas partes. Quando não há um doador compatível entre pais, irmãos ou parentes próximos, é feita a busca nos bancos nacionais e internacionais de doadores voluntários de medula óssea.

6. Como ser um doador?

Para ser um doador é fácil, basta ter de 18 a 55 anos e uma boa saúde.

7. Como fazer a doação: Procure o Hemocentro da sua cidade ou órgão responsável pelo banco de doadores. A doação consiste em preencher uma ficha com seus dados pessoais e uma pequena amostra de sangue é solicitada. Um teste chamado histocompatibilidade (HLA) irá identificar suas características genéticas, deixando tudo registrado para o encontro de um possível receptor. Importante: mantenha sempre seu cadastro atualizado. Uma vez confirmada a compatibilidade para a doação, você será contatado para a doação.

Tirou todas as dúvidas? Consulte nosso Centro de Transplantes e obtenha mais informações: (11) 3821-5300. Seja solidário, seja um doador!

Centro de Referência no Tratamento das Lesões de Nervos Periféricos

Ver Todos

Centro de Atenção ao Tabagismo

Ver Todos
Hospital Samaritano São Paulo

Hospital Samaritano São Paulo